quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

um pouco de mim.


Era um compasso certo, todo passo era leve como se fosse uma novidade boa, tinha um tom, tinha um som, não era samba, mas era livre, pelo menos pra mim, dentro de mim, era como conhecer um balanço novo, não tinha tempo, e quando eu rodopiava pra longe ja ficava pensando em voltar, só que os ponteiros nem sempre andam juntos, é natural, nem todo sentimento encontra com o mesmo todos os dias.


Agora já não tem tom, não tem som, muito menos sei onde encontrar, não vejo mais o movimento, agora tudo é silencioso. É que nem sempre o coração consegue ser duro todo o tempo, ele gosta e desgosta, ele vive e sobrevive, mas o que mais faz mal nessa história toda de vai e vem é quando eu sinto que mesmo não estando no mesmo compasso, o outro lado não respeita muito o seu passo, quando você começa a perceber que pouco importa para o seu par a música que estava tocando.


É so como eu vejo a dança depois do fim da música.

Um comentário:

THE POEM HAS BROKEN disse...

É um vai e vem cheio de um compaço descompaçado, você consegue me entender?

As vezes oq mais vale é o silêncio e a lembrança daquele sambe que leva...